Beto Ramazzina

Melhor do que dizer das coisas que eu gosto na Fabrika, prefiro dizer do que não gosto.
Afinal, me considero amigo da casa e amigo pode fazer isso.

Não gosto de ligar no celular do Zé Luiz, a qualquer hora do dia ou da noite, porque se ele não atender, vai me ligar de volta bem na hora que eu estou deixando o recado para ele.

Não gosto de marcar almoço com o Edson, porque eu acabo não podendo ir, e ele acaba produzindo tudo às mil maravilhas e me manda a foto do combinado de sushi e sashimi que foi obrigado a comer sozinho.

Não gosto de ter reunião com a Delfina, porque ela não me leva a sério. Eu falo as coisas de maneira dura, e ela dá aquela gargalhada na minha cara.

Não gosto de pedir favores pessoais na área elétrica/eletrônica para o Ricardo, porque ele insiste em resolver todos e mais alguns que eu não tinha pedido.

Não gosto de encontrar o Lineu, logo cedo, segunda-feira de manhã, porque com aquele sorriso e abraço forte, parece que só eu tenho problemas no mundo.

Não gosto de dar briefing para a Rachel, porque ela não me deixa acabar o raciocínio. E o que é muito pior, de maneira sempre educada e simpática, acerta tudo o que eu iria dizer.

Não gosto do Grilo, porque ele nunca cumpre os prazos da computação. Sempre entrega antes.

Enfim, não dá para eu gostar da Fabrika. Tenho que adorar mesmo.
Obrigado pela eterna parceria, todos os citados e os não citados aqui.